ENTREVISTA LITERÁRIA 


Por Joacles Costa

‘’Minha poesia é o outro lado das tuas pupilas o avesso do olhar Aquela coisa de interior.’’ 

foto de divulgação

 

O Escritor Ítalo Wyat nasceu em Vinhático, distrito de Montanha, interior do Estado do Espírito Santo. Entretanto, viveu grande parte da vida em Mucurici, Município do interior capixaba.

Confira a Entrevista com o Escritor Ítalo Wyatt

 Joacles Costa: Quais são os seus Livros Publicados?                                                                       Ítalo Wyatt:  A Janela do Éden (publicado pela editora Multifoco) e Comercinho de Terra Perdida (plataforma Amazon). Há dois anos devo a publicação do meu terceiro livro que está engavetado e por isso de nada serve (para lembrar Sérgio Sampaio). 


  Joacles Costa: Qual a parte mais difícil da escrita para você?                                                         Ítalo Wyatt Não acredito na equidistância entre autor e texto, da mesma forma que não acredito numa Teoria Pura do Direito ou na existência de um magistrado que ao decidir um processo deixa para trás toda a sua subjetividade, seus conceitos, suas vivências. Escrever exige de mim uma comunicação profunda com os meus valores, os meus medos, as minhas angústias, os meus mortos e meus fantasmas. Esse mergulho em mim mesmo é exaustivo, meticuloso, traumático e necessário.  


 Joacles Costa: Você percorre um caminho pelo gênero poesia. O que te fascina nela?                Ítalo Wyatt Durante séculos escritores, poetas, mestres, críticos e literatos tentaram explicar o que é poesia. Estudos literários já consideraram que poesia era o texto em verso, bem como já consideraram que poesia era o texto que possuía uma linguagem lírica, reflexiva, analítica e ficcional. Pois bem! Poesia para mim é a linguagem do mistério, é a experiência integral da Arte, da possibilidade de transcender, de superar a morte. Por isso, vejo poesia na literatura, nos cantos sacros, nas pinturas de Portinari e Matisse, nos sermões e pregações, no culto a Deus e aos deuses da ancestralidade africana. Nesse sentido, basta lembrar que na Antiguidade e na Idade Média predominaram as epopeias, que eram cantos ao mítico (Epopeia de Gilgamés, Ilíada e Odisséia, Cantares de Salomão, Divina Comédia). Enfim, me fascina a possibilidade de perpetuar e ser. 

 Joacles Costa: Sentimentos negativos como ódio, ciúme, inveja, vingança são motores para a criação da sua obra?                                                                                                                            Ítalo Wyatt: São motores bem desregulados (risos)!

 

 Joacles Costa: Quando escreve, surgem cadeias de coincidências?                                                  Ítalo WyattAcredito na fusão de horizontes, na consulta ao arquivo inconsciente das experiências e informações, na memória ancestral e nas vozes mediúnicas da esquizofrenia do autor. Tudo isso se converte em “cadeias de coincidências”.  

foto de divulgação 

O “Éden” é apenas inferência ao local sagrado, porém no sentido de comparar a existência humana, ao Éden. O autor comenta que no Éden havia todas as coisas: o amor, o homem, a mulher, a inveja, o divino e todas essas coisas estão na existência humana, na vida de qualquer pessoa.

(SEM TÍTULO)

As minhas piores horas de amor

São as minhas melhores horas de melancolia.

Fostes para mim a cruz nos ombros de Cristo

A avaria na túnica de Maria

O espinho no pé de Paulo.

Fostes o meu ódio e o meu amor

O meu banquete e perdição

Meu manjar e o meu despacho

Meu incenso e o meu trago

A hora do pito, do apito, do grito, do ínfimo

A hora que o trem passou e ninguém viu

A hora que a lágrima - mais uma lágrima d'O Solitário - ajudou a encher o Itapemirim.

Fostes o meu ócio e meu pódio

O arauto e o puteiro

A viga e a vírgula

Minha carreira medíocre de poeta municipal

Talvez o único verso de qualidade que atirei no mar.

Fostes o que não fostes:

a conjugação fantasiosa do que

ainda persiste.

 

“Éden” é apenas inferência ao local sagrado, porém no sentido de comparar a existência humana, ao Éden. Ele comenta que no Éden havia todas as coisas: o amor, o homem, a mulher, a inveja, o divino e todas essas coisas estão na existência humana, na vida de qualquer pessoa.

 

Serviços:

Autor: ITALO SAMUEL WYATT

Título: A JANELA DO ÉDEN

Ano:  2017

Páginas:  96

Preço:  R$ 35,00

Editora:   MULTIFOCO

Onde Comprar: editoramultifoco.com.br

Contato no Instagram: @italoswyatt 

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem