Pesquisa comprova que mulheres se dedicam mais ao voluntariado

  Pesquisa comprova que mulheres se dedicam mais ao voluntariado

No Instituto Gabi, elas representam 70% dos voluntários



(Priscila e Alik: voluntárias do Instituto Gabi-Divulgação)

 

É incontestável a força da mulher em diferentes áreas. Isso também é uma realidade quando o assunto é voluntariado. De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua sobre Outras Formas de Trabalho 2019, o trabalho voluntário envolveu 6,9 milhões de pessoas no Brasil em 2019, correspondendo a 4% da população. Deste total, a mulher predomina, com 4,8% contra 3,2% dos homens (https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2020-06/ibge-mulher-tem-peso-importante-no-chamado-trabalho-invisivel#:~:text=O%20Centro%2DOeste%20apresentou%20a,mais%20(4%2C7%25).


No Instituto Gabi – organização que oferece atividades para crianças, adolescentes, jovens e adultos com deficiência, para inserção social efetiva – a presença feminina entre os voluntários é de 70% contra 30% de homens.


Uma das voluntárias é a empresária Priscila Maia. Certo dia, passando na frente da sede do Instituto Gabi viu o bazar e decidiu saber mais sobre o espaço. A partir daí, começou a levar doações. “Um dia, pedi para conhecer o núcleo de atendimento. Levei a minha filha Bianca, que tem seis anos, para ela conhecer também e ver para onde iam alguns dos brinquedos e livros que ela doava”, recorda.


Atualmente, a tarefa de Priscila é arrecadar doações para o bazar, fazendo a ponte entre os doadores e o Gabi. “Meu marido até brinca que o porta malas do meu carro é uma sucursal do Instituto porque está sempre cheio de doações”.


Priscila lembra que cresceu vendo a mãe fazer trabalho voluntário. E reforça: “quem ajuda é muito mais beneficiado do que quem recebe”.


A gerente de marketing Alik Votisch acompanha o Instituto Gabi desde 2007. Em abril do ano passado, tornou-se voluntária e engajou-se em diversas ações. “Com o início da pandemia, estava buscando alguma ação social para contribuir. Estava insatisfeita em só doar alimentos, isso é muito fácil. Queria dar mais de mim. 


Desde então, ajudei a montar a estratégia da bazares e apoiei na reformulação da comunicação e da revitalização do site. Envolvi minha equipe de marketing na causa e a empresa que trabalho disponibilizou o tempo das pessoas para apoiar esta ação”.


Para Alik, o Gabi é uma inspiração de solidariedade e amor ao próximo. “O seu propósito, “Quem ajuda as pessoas é feliz”, me move a cada dia”, reforça.


Perguntada sobre sua opinião acerca do fato de as mulheres trabalharem mais como voluntárias do que os homens, a gerente respondeu. “O espírito materno influencia muito, mas entendo que as mulheres são mais proativas. Apesar de, na maioria das vezes, terem muito mais trabalho que os homens, conseguimos conciliar melhor o tempo e dar atenção às prioridades”.


Interessados em conhecer e acompanhar o trabalho do Instituto Gabi podem fazê-lo pelos seguintes canais de comunicação: www.institutogabi.org.br , @institutogabi (Facebook) ou @institutogabioficial (Instagram).

 

 

Sobre o Instituto Gabi 


O Instituto Gabi foi fundado em 2001, pelo casal Iracema e Francisco Sogari, quando sua primogênita Gabriele, então com seis anos de idade, foi vítima de um atropelamento e retornou à casa do Pai. Atendeu, ao longo de quase duas décadas, centenas de famílias. É reconhecido pelo trabalho de inclusão de pessoas com deficiência. Contribui para a construção de políticas públicas, serve de fonte de informação para a imprensa e é objeto de estudo para diferentes níveis acadêmicos.


A trajetória foi marcada por muito trabalho e doação – sempre contando com o apoio de voluntários. “O que nos orgulha é saber que chegamos à maioridade com um projeto sólido e de qualidade, reconhecido por mais de 1300 famílias que passaram pelo Gabi”, diz Francisco Sogari.


O Instituto Gabi vem ganhando, cada vez mais, o reconhecimento da sociedade. Ganhou o Prêmio Relevância Social da Câmara dos Deputados e o Prêmio Melhores ONGs do Brasil 2019. Também em 2019, seu fundador, Francisco Sogari, recebeu o título ‘Cidadão Paulistano’, conferido pela Câmara Municipal de São Paulo. A fundadora Iracema Barreto Sogari foi indicada para receber Título de Mulher Destaque, na Câmara Municipal, em 2020. No começo de 2021, completa 20 anos. São duas décadas deste movimento de qualidade pela inclusão social.


Interessados em conhecer e acompanhar o trabalho do Instituto Gabi podem fazê-lo pelos seguintes canais de comunicação: www.institutogabi.org.br , @institutogabi (Facebook) ou @institutogabioficial (Instagram).


Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem