Em curta metragem, Ursula Monteiro exalta o autocuidado e a necessidade de se encontrar

 

Baseado em fatos reais e nas discussões que a pandemia levantou, atriz realiza sua primeira produção como roteirista.

 

Você já parou para pensar quanta coisa vivemos e descobrimos em mais de um ano de pandemia? E quantos acontecimentos não chegaram até nós, devido à enxurrada de informações sobre a COVID-19? Mais do que isso, quantas pessoas se perderam e ainda estão tentando se reencontrar em meio ao caos natural que a vida já proporciona que foi exacerbado pelo momento que vivemos? Essas são as discussões que a atriz Ursula Monteiro levanta, de forma forte e chocante, e, ao mesmo tempo, cuidadosa no seu primeiro trabalho como roteirista, o curta metragem “Val” que deve estrear nos festivais de cinema no próximo mês.



A produção acompanha o presente e o passado de Valéria - vivida pela própria Ursula - uma fotógrafa que mora no interior e suas incertezas. Dividida entre um amor do passado que volta após anos de prisão, mesmo sendo inocente, e uma mãe acusada de corrupção, que virou comentário na cidade, a personagem tenta se encontrar, conhecer-se e tomar a decisão certa para o seu futuro: reatar este romance, seguir a vida como ela está, ou? A terceira opção somente assistindo ao curta.

Além desta busca de autoconhecimento, “Val” também aborda temas importantes que foram amplamente discutidos ou praticamente esquecidos durante a pandemia. Mesmo sendo uma obra fictícia, a obra é baseada em fatos reais. Em março de 2020, no começo da pandemia, 1379 presos fugiram de quatro presídios no interior de São Paulo, apenas metade dos fugitivos foram recapturados e esta situação passou despercebida aos olhos da grande imprensa e, assim, da população. Essa situação é um dos principais pontos, dentro do curta.

Outro assunto importante relatado foi o aborto. Em agosto de 2020, vivemos uma grande comoção quando uma menina de apenas 10 anos, que havia sido estuprada, teve grandes dificuldades em realizar um aborto legal. Mas e as outras mulheres que não ganham destaque na mídia?  De acordo com a organização mundial de saúde, cerca de 500 mil abortos clandestinos são realizados por ano no Brasil e, a cada dois dias, uma mulher morre vítima de aborto ilegal no país. Esse risco também é retratado na produção.

“Eu acho que a ideia do Val é levantar discussões. Desde a fuga de presos que foi esquecida ao aborto, nós precisamos falar sobre esses assuntos para, então, conseguir construir uma sociedade melhor para todos nós”, explica Ursula. “O número de abortos clandestinos e mulheres morrendo não irá mudar durante um bom tempo. Mas nós mulheres temos que estar confortáveis para se expressar e discutir esse tipo de assunto, sem medo de preconceito ou julgamento dos outros. Temos que contar nossas histórias. Afinal, como vamos mudar uma sociedade se não há espaço para discussão”, questiona.

“Mas, é importante frisar, que apesar de darem muita força à produção, essas discussões não são o tema principal da produção. A forma como o curta se inicia e termina com o questionamento ‘uma vez me perguntaram: o que eu faria se tivesse apenas mais um dia de vida’ é a maior reflexão que quero que quem assista tenha. No início de 2020, além da pandemia que mudou a vida de todos, perdi uma amiga querida, jovem, para um câncer e isso também ligou uma chavinha em mim sobre onde eu queria estar, o que eu queria viver se não tivesse outra chance. Essa é a maior lição do projeto, se conhecer, olhar para dentro, tomar as rédeas da própria vida e perceber que a felicidade está dentro da gente e não no outro”, completa a artista.

 

Por: Clilton Paz.

Fonte: Gabriela Gimenes.

Foto: Divulgação.

 

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem